Nossos amigos,

Não nos preocupamos em nos apresentar, declarando uma identidade ou revelando um objeto. É o Alcorão Sagrado que nos define e nos apresenta. É nossa constituição universal, o Livro de Integração / Complementação do Islam, e a fonte de julgamento e erudição que transforma nossa ignorância em sabedoria.

Humildemente cremos nEle e em tudo o que Ele enviou. Pretendemos lutar à Sua maneira com nossas propriedades e nossas vidas. Nossos corações estremecem e sentimos temor, estamos ansiosos por guardar Sua Zikr (Lembrança) tanto em nossas línguas quanto em nossas ações. Estamos envolvidos nas atividades necessárias ao desenvolvimento físico e mental da sociedade, com a consciência da orientação/guia e servidão que vem dEle.

Nosso objetivo mais importante é aprender, viver e contar sobre Sua religião. Sabendo que é nosso dever fazer outros acordar na medida em que acordamos do sono do mundo, mostrando fidelidade à nossa promessa, partilhamos tudo o que de material e espiritual nos foi dado para este fim, segundo a religião, para crescer as mentes iluminadas, sem esperar qualquer benefício material ou espiritual.

Religião significa “sistema de regras de crenças e de adoração / servidão.” Seu significado para os seres humanos é obedecer diretamente às leis que Allah determinou para os seres que estão sujeitos ao plano de evolução de consciência no fluxo diário da vida em que viva, pessoalmente e realmente agora.

Portanto, a religião é a consciência de que as pessoas estão conectadas e responsáveis ​​por outras pessoas, pelo mundo e por todo o universo. Se não houver tal conexão e responsabilidade, o Estado, a sociedade, a família e o próprio humano são apenas um cadáver que respira. Mas quem pensa e vive de acordo com Sua religião (leis), ele é vivo agora. Em outras palavras, ele é um Muçulmano. Por esta razão, o conceito de “Islam”, que está incluído na subdefinição de religião, é uma insígnia de rendição a Ele, que ocorre como resultado da aceitação da religião apenas pela submissão às Suas leis.

A insígnia só surgirá se harmonizar-se com o Livro e o fitrah. Por isso, o que nos unirá em uma estrutura de consciência coletiva é a determinação do conteúdo e dos limites da religião segundo a única fonte que é o Alcorão Sagrado. Buscar outra fonte de julgamento e sabedoria disso é engano, e aceitá-la é chirk (associar).

Infelizmente, logo após a morte de Muhammad (as), começou uma tendência contrária a esse entendimento básico do Alcorão, e o Islam foi corrompido pela intervenção do dinastia omíada.

Depois, esta corrupção foi aprofundada por seitas e facções, e o Livro foi abandonado por aceitar coisas contrárias à essência do Alcorão com muitos hadiths e narrações fabricadas. E as idéias fabricadas por aqueles que deixaram o Livro e aqueles que os seguiram foram apresentadas os livros e fátuas (regras religiosas e leis feitas pelo cleros) como o ópio, e as sociedades foram adormecidas.

Considerando-se parceiros dEle, eles não conheciam limites, determinavam halal e haram de acordo com seus desejos e caprichos, e estavam decidindo de quem era um crente e quem era um negador. Eles distribuíram a crença e o ákhirah (além) de acordo com suas próprias mentes distorcidas.

Isso ocorre porque o Alcorão, o Islam e, além disso, ser muçulmano são tão mal fundamentados por eles que rotularam todos que não acreditam como eles como não-muçulmanos, e eles os excluíram da religião e os rotularam como infiéis.

Se eles estão cientes disso ou não, aqueles que propõem esse erro cortaram o que Allah ordenou que fosse unido e os dividiram em seitas. Porque, independentemente da língua, da raça, da cor ou da geografia, uma pessoa que se submete à religião, que é as leis de pensamento e  comportamento correto determinadas por Allah Todo-Poderoso para os humanos, é muçulmano. A religião mencionada nos quatro livros sagrados revelados até agora é o Islam.

O Islam não é uma religião que veio com Muhammad (as), é uma religião que foi completada com ele. Portanto, novamente no Alcorão, aqueles encarregados de transmitir os Livros Sagrados antes do Alcorão e aqueles que os seguem são definidos como muçulmanos. Novamente, esta definição foi feita para os apóstolos que estavam sujeitos a Jesus (as) ou seus jovens companheiros e pessoas que estavam sujeitas a Moisés (as).

Embora as definições do Islam e dos muçulmanos sejam dadas tão claramente nos versículos, iniciar o Islam há 1400 anos e chamar aqueles que seguiram os nabiyys anteriores de não-muçulmanos é desafiar o Allah Todo-Poderoso.

A este respeito, a responsabilidade dos muçulmanos é unir a religião que Allah ordenou que seja unida, não dividir em seitas e não causar corrupção na terra.

Como nosso Rabb nos menciona no versículo Diga: “Ó povo de Livro! Venham para uma palavra que é a mesma entre vocês e nós. Que não sejamos servos de ninguém além de Allah e não associemos nada a Ele e que alguns de nós não tomem outros como Rabb (senhores) além de Allah.Depois disso, se eles retornarem, digam; “Testemunhem que nós somos muçulmanos nosso objetivo é convidá-los para nossa palavra (Islam), que é comum a quem segue os Livros transmitidos anteriormente, e para explicar o Livro para eles.

Donos da mentalidade que se parece com os muçulmanos, mas abandonam o Livro, transformaram a religião e a crença em uma empresa corporativa em todos os países da geografia islâmica hoje, e eles continuam suas façanhas escondendo a verdade e sem cansando, pregando as unhas nas massas de pessoas inocentes.

E, infelizmente, as massas estão se afogando no turbilhão de contradições, inconsistências e irracionalidade que são contra o Alcorão apresentado por essas pessoas que não conhecem fronteiras. Portanto, o Islam, que deveria levar a humanidade à felicidade e à harmonia, se transformou em um lar de depressão e desintegração nas mãos desse povo que não conhece fronteiras.

Mas é essencial que não esqueçamos esse fato; A terra é o lugar onde aqueles que se reúnem em torno da “consciência de Allah” e aqueles do lado oposto são literalmente separados e enfrentam face a face. O Alcorão Glorioso derruba todo tipo de juízo de valor e senso de pertencimento que são contrários à fitrah, entre o passado, o futuro, o período em que foi descido e o presente, e mencionou o juízo de valor e o sentimento de pertencimento de acordo com religião.

De acordo com essa compreensão de valor e pertencimento que nunca envelhecerá, as pessoas são divididas no lado/facção de Allah (+) e no lado/facção de Iblis (-). Nenhum valor pode precedê-los ou superá-los. Todo mundo serve um desses dois lados. Se o lado de Allah é servido, é aceitável, caso contrário, é uma causa falsa.

O dever de quem quer estar do lado da verdade e sobre da verdade, sabendo que o mais bela palavra foi revelado por Ele e que o imutável Sunnatullah pertence a Ele;

  • É fazer um esforço para eliminar a corrupção resultante de todas as invenções e enganos contendo chirk, substituir a ignorância que ocorre como resultado do desvio da fonte principal, substituir a ignorância pela sabedoria e fazer um esforço para iluminar as trevas.
  • É trazer a religião diante da humanidade como está no Livro de Allah, com uma visão que seja benéfica para as pessoas na rua, de uma forma que apela a mente e o coração tanto quanto possível, conforme descrito no Livro, purificando-o de todos os separadores que se interpõem entre o Alcorão e os seres humanos. Porque somente como resultado disso, o ser atinge o nível de servidão e começa a caminhar com Allah Todo-Poderoso. Tal pessoa às vezes se torna o coração do mundo sem coração e às vezes se torna a voz da consciência e da misericórdia. Ele não consegue dormir à noite por causa do choro de um órfão, o grito de uma mulher que grita “socorro”, o grito do oprimido “A humanidade está morta?” e ele cai na estrada.

A verdade imutável é esta: Apenas aos servos dEle é reservado pensar nos direitos de todas as pessoas oprimidas, destituídas e ofendidas do mundo e se opor aos déspotas e faraós que os usurparam. Defender o Islam como um contra a opressão e a tirania, ocupação e inequidade, corrupção e injustiça, abuso da religião e daqueles que enganam outros com Allah, é reservado apenas aos servos dEle. E eles existem em todas as cenas da história. Eles foram jogados no fogo, crucificados ou apedrejados até a morte.

Então, onde você está nessa história?

Você é um daqueles que escolhe ser ruim?

Você é daqueles que vê o mal e fica calado?

Ou você está no caminho Daquele que enviou você a este Mundo?

Seja o que for, hoje não é tarde demais para escolher a verdade, o justo, o certo e o belo.

Nós não convidamos você se sujeitar a nós mesmos. Ao contrário, somos nós que convidamos a obedecer a Allah sem intermediários e, portanto, a sermos competentes no Alcorão, no qual todas as Suas ordens e mandamentos estão completos e integrados, e a responder ao Seu chamado.

Porque “Não pode ser para um ser humano dizer às pessoas “Seja um servo de mim além de Allah” depois que Allah lhe deu o livro, a sabedoria e se torna nabiyy. Mas já que você leu e aprendeu o livro e está ensinando, ele apenas diz:  “Tornem-se servos como Rabbanís (aqueles que se dedicaram ao Rabb).”1

Pensar é o dever de um servo…

1 Áli ‘Imran 79